Roberto Carlos homenageia o amigo deportado Caetano Veloso durante a Ditadura Militar com música

Por
Atualizado em: 1 de abril de 2019

Quando estava, em Londres, para onde fora deportado em 1969 pela Ditadura Militar, Caetano Veloso recebeu a visita de Roberto Carlos, que cantou As curvas da estrada de Santos com ele. Em seu livro Verdade Tropical, lançado em 2008, Caetano Veloso confessa que se emocionou e chorou muito naquela ocasião. Impressionado com a emoção do amigo, Roberto Carlos o homenagearia em seu disco seguinte com a composição “Debaixo dos Caracóis dos Seus Cabelos”, em 1971.
Aproveitamos este belo gesto para também homenagear alguns dos principais exilados políticos brasileiros da época da ditadura militar que aparecem em imagens neste video. São eles:
José Ibrahim, , Rolando Frati , José Dirceu , Agonalto Pacheco, Flávio Tavares, Maria Augusta Carneiro Ribeiro, Mario Zanconato, Ricardo Vilas, Ricardo Zarattini, Vladimir Palmeira, Luís Travassos, Onofre Pinto, João Leonardo Rocha, Ivens Marchetti, Miguel Arraes, Luis Carlos Prestes, Herbert José de Souza (Betinho), Gregório Bezerra, Leonel Brizola, os músicos Gilberto Gil e Caetano Veloso, o presidente João Goulart, João Amazonas, entre outros.
Debaixo Dos Caracóis Dos Seus Cabelos
Roberto Carlos/Erasmo Carlos/1971

Um dia a areia branca
Teus pés irão tocar
E vai molhar seus cabelos
A água azul do mar

Janelas e portas vão se abrir
Pra ver você chegar
E ao se sentir em casa
Sorrindo vai chorar

Debaixo dos caracóis dos seus cabelos
Uma história pra contar
De um mundo tão distante
Debaixo dos caracóis dos seus cabelos
Um soluço e a vontade
De ficar mais um instante

As luzes e o colorido
Que você vê agora
Nas ruas por onde anda
Na casa onde mora

Você olha tudo e nada
Lhe faz ficar contente
Você só deseja agora
Voltar pra sua gente

Debaixo dos caracóis dos seus cabelos
Uma história pra contar
De um mundo tão distante
Debaixo dos caracóis dos seus cabelos
Um soluço e a vontade
De ficar mais um instante

Você anda pela tarde
E o seu olhar tristonho
Deixa sangrar no peito
Uma saudade, um sonho

Um dia vou ver você
Chegando num sorriso
Pisando a areia branca
Que é seu paraíso

Debaixo dos caracóis dos seus cabelos
Uma história pra contar
De um mundo tão distante
Debaixo dos caracóis dos seus cabelos
Um soluço e a vontade
De ficar mais um instante

Fonte: memoriasindical.com.br/